03/12/2009



É verdade está, oficialmente, aberta a época, o furor, a loucura, a ansiedade e a esperança (talvez, quem sabe)... porque afinal é NATAL... o fim do ano é marcado por uma época de doces, frutas cristalizadas, pinheiros falso de natal com neve que vem à pressão... comem-se pratos recheados, sejam perus ou patos rachados... come-se (comem eles) bacalhau com couves, regadas de azeite, dourado, com as moedas que nos saem da carteira... brilhantes como as faixas na notas que vemos desaparecer... mas afinal é Natal;)
Se cá nevasse, fazia-se um Natal à lareira, assim assam-se chouriços e farinheiras, colhem-se presentes às suas beiras e aquecem-se os pés das velhotas, que mais um ano se arrastam às casas pouco familiares que estão de olho dos dourados que elas trazem...
O Natal, ah essa época festiva, digna da santa celebração!
Época tão célebre pela suas tentações, já à revistas com belos sermões, sobre como se manter light, linda e sem rabanadas, nesta breves jantaradas...


O Natal, acompanhado da noite, do dia, da árvore, do Pai, da peúga, das renas, das prendas, do presunto, do queijo, do peru, das filhoses, das rabanadas, dos cuscurões... e quem sabe de discussões, faz esquecer dos sonhos, quentinhos, doces e redondinhos...


Quem sabe, talvez, este Natal, se dê ao prazer de sonhar e dar a provar os sonhos a quem mais ama, já nem digo a quem mais precisa, porque no Natal, nessa época festiva, existem muitas mentes nobres e corações abertos e melosos, fazendo pelos de fora, quando os de dentro se ajeitam entre presentes e a trincha para esquartejar o peru!


Ah e já agora, Boas Festas e um Santo Natal

1 comentário:

Domos disse...

...as minhas vão ficar mesmo para o fim!!! É mesmo à Tuga