10/12/2009

Ágora


Um épico pouco holywoodesco;) felizmente!

Para mim foi uma surpresa, um filme que não se perdeu num só tema, equilibrou muito bem a ânsia pela pesquisa, pela descoberta, pela filosofia da inovação e a presença feminina na Ágora, a praça pública em Alexandria.

Hypatia, filha de Theon, musa de Orestes e devoção de Davus, o escravo.

Reina a guerra e a discussão de ideias religiosos, entre pagãos, cristãos e judeus, pela luta do reconhecimento da fé e da crença em Jesus Cristo. Contudo, Hypatia vive num ambiente de ideias, onde as considerações Copérnicas ocupam a sua mente e fé, o acreditar na ciências e nas explicações que tanto procura.

Um filme intenso, talvez afastado de alguns factos verídicos, quem sabe!? A história o dirá, porém a relação platónica ;) de Davus dá um final bastante forte.

A destacar também, a banda sonora e algumas imagens áreas...

2 comentários:

BroTTas disse...

curti bué o filme não gostei muito da transição das cenas... sai do filme a dizer que as vezes tenho vergonha de me dizer Cristão... éramos uns bárbaros...

ElsaR disse...

Afinal nao fui a unica a achar o escravo a melhor personagem do filme. Aquele fim foi o auge da personagem.